QUOTE DA SEMANA :

Quote da Semana:

"— Sabe, você só pode ajudar alguém que aceita ajuda — disse ela."
- Jojo Moyes, trecho do livro ‘Como eu era antes de você’, página 50.


segunda-feira, 15 de abril de 2013

A RAINHA BRANCA - Vocês já ouviram falar da Série Guerra Entre Primos, da magnífica escritora Philippa Gregory?

Olá Pessoas Lindas!!!

Vocês já ouviram falar da Série Guerra Entre Primos, da magnífica escritora Philippa Gregory?



Olha, uma coisa posso dizer, Phillipa é uma escritora incrível que também é historiadora e super apaixonada pelo período Tudor.

Casa de Tudor foi uma dinastia de monarcas britânicos que reinou na Inglaterra entre o fim da Guerra das Rosas entre 1485 e 1603. A família Tudor se origina no século XII, com Ednyfed Fychan de Tregarnedd (1179-1246), senescal do Príncipe de Gwynedd, Llewelyn ap Iorwerth. O primogênito de seus 12 filhos, Gorowny, teve um filho, Tudur Hem, conhecido posteriormente como O Velho, que viveu de 1245 a 1311. Dele descende, os Tudor.

No início do século XV viveu Owen Tudor (1400-1461), filho de Meredith Tudor, que se casou com Catarina de Valois, princesa de França, viúva de Henrique V de Inglaterra.

Da união nasceu Edmund Tudor, Conde de Richmond, que casou com Margareth Beaufort, neta de John de Gant, que foram os pais de Henrique VII. As pretensões de Henrique VII à coroa baseavam-se no fato de ser tataraneto do rei Edward III, embora por duvidosas vias feminina e ilegítima. Para cimentar a sua posição, o primeiro soberano Tudor decidiu casar com a Elizabeth de York, herdeira da Casa de York.

A Casa de Tudor governou a Inglaterra num período relativamente pacífico, depois da sucessão de guerras com a Escócia, da Guerra dos Cem Anos e da Guerra das Rosas. A economia e o comércio prosperaram apesar dos conflitos internos que marcaram o período, resultantes do repúdio da autoridade papal da Igreja Católica Romana e da fundação da Igreja Anglicana chefiada pelo próprio rei. Era o início dos movimentos protestantes na Europa. Por altura do fim do reinado de Elizabeth I, a última monarca Tudor, a Inglaterra se tornou uma das principais potências europeias.

Os Tudor, foram sucedidos pela Casa de Stuart, a dinastia reinante de monarcas escoceses, depois que Elizabeth I morrer em 1603 sem deixar descendentes diretos. A partir de então e até aos dias de hoje, Inglaterra e Escócia formam uma união pessoal,o que emerge para a Grã-Bretanha.

Nos dias de hoje, Gregory é uma romancista britânica, associada principalmente por suas obras de ficção baseadas em História real. Vive com sua família em uma pequena Quinta de Yorkshire. Além de escrever Romances, também colabora para jornais, emissões televisivas, ou rádios do Reino Unido.


A Senhora dos Rios de Philippa Gregory

Sinopse
Jacquetta é casada com o Duque de Bedford, regente inglês da França, que lhe dá a conhecer um mundo misterioso de conhecimento e de alquimia. O único amigo de Jacquetta é o escudeiro do duque, Ricardo Woodville, que está a seu lado quando a morte do duque faz dela uma viúva jovem e rica. Os dois tornam-se amantes e casam em segredo, regressando à Inglaterra para servir na corte do jovem monarca Henrique VI, onde Jacquetta vem a ser uma amiga próxima e leal da sua nova rainha.
Depressa os Woodville conquistam uma posição no núcleo da corte de Lencastre, apesar de Jacquetta pressentir a crescente ameaça vinda do povo da Inglaterra e o perigo de rivais pretendentes ao trono. Mas nem a coragem e a lealdade dos Woodville bastam para manter no trono a Casa de Lencastre. Jacquetta luta pelo seu rei, pela sua rainha e pela sua filha Isabel, para quem prevê um futuro extraordinário e surpreendente: uma mudança de destino, o trono da Inglaterra e a rosa branca de Iorque.


Críticas de imprensa
«Ficção histórica no seu melhor, com uma pesquisa rigorosa e contada de forma soberba.»
The Times
«Seguro, colorido, convincente e repleto de conflitos, traições e manobras políticas.»
Publishers Weekly
«Gregory faz a História ganhar vida… de um modo fascinante.»
Sunday Express

A Rainha Branca - Philippa Gregory

 Autora de bestsellers internacionais, Philippa Gregory dá vida a este drama de família através das suas mulheres, começando com a história de Elizabeth Woodville, a Rainha Branca.


Sinopse
"A Rainha Branca" é a história de uma plebeia que ascende à realeza servindo-se da sua beleza, uma mulher que revela estar à altura das exigências da sua posição social e que luta tenazmente pelo sucesso da sua família, uma mulher cujos dois filhos estarão no centro de um mistério que há séculos intriga os historiadores: o desaparecimento dos dois príncipes, filhos de Eduardo IV, na Torre.
Através da sua visão única, Philippa Gregory explora o maior mistério até hoje por resolver, baseando-se numa investigação perfeita e recorrendo ao seu inimitável talento como contadora de histórias.

Críticas da Imprensa
«A maior autora contemporânea de ficção histórica. Os seus romances estão repletos de mulheres
fortes e determinadas que tomam as rédeas do destino nas suas próprias mãos.» 
Financial Times
«Philippa Gregory é, de facto, a maior autora de ficção histórica! Seria difícil tornar a História mais divertida, animada e envolvente.» 
Sunday Express
«A rainha do romance histórico.»
Mail on Sunday

Novo Teaser de A Rainha Branca – Seriado inspirado no livro.


Rei, guerreiro, amante: os mais novos destaques do rei bad-boy interpretado por The Host 's Max Irons .


A Rainha Vermelha de Philippa Gregory

Sinopse
Herdeira da rosa vermelha de Lancaster, Margarida vê as suas ambições frustradas quando descobre que a mãe a quer enviar para um casamento sem amor no País de Gales. Casada com um homem que tem o dobro da sua idade, depressa enviúva, sendo mãe aos catorze anos. Margarida está determinada em fazer com que o seu filho suba ao trono da Inglaterra, sem olhar aos problemas que isso lhe possa trazer, a si, à Inglaterra e ao jovem rapaz. Ignorando herdeiros rivais e o poder desmedido da dinastia de York, dá ao filho o nome Henrique, como o rei, envia-o para o exílio, e propõe o seu casamento com a filha da sua inimiga, Isabel de York.
Acompanhando as alterações das correntes políticas, Margarida traça o seu próprio caminho com outro casamento sem amor, com alianças traiçoeiras e planos secretos. Viúva pela segunda vez, Margarida casa com o impiedoso e desleal Lorde Stanley. Acreditando que ele a vai apoiar, torna-se o cérebro de uma das maiores revoltas da época, sabendo sempre que o filho, já crescido, recrutou um exército e espera agora pela oportunidade de conquistar o prémio maior.
Críticas de imprensa
«Seguro, vívido, convincente e cheio de conflitos, traições e intrigas políticas […] Tal como em Margarida Beaufort, o talento de Gregory eleva-se sobre o dos seus imitadores com uma dose de energia inigualável, concentração e execução firme.»
Publishers Weekly
«A pesquisa de Gregory é irrepreensível, o que torna a sua imaginativa ficção ainda mais convincente.»
Daily Mail
«Temos de agradecer a Philippa Gregory, escritora britânica de romances históricos, por muitas das razões da atual popularidade dos Tudor.»
Time Magazine


A Filha do Conspirador de Philippa Gregory

Sinopse
"Perdi o meu pai numa batalha, a minha irmã às mãos de uma espia de Isabel Woodville, o meu cunhado às mãos do seu carrasco e o meu sobrinho às mãos de um seu envenenador, e agora o meu filho foi vítima da sua maldição…"
A apaixonante e trágica história de Ana Neville e da sua irmã Isabel, filhas do Conde de Warwick, o nobre mais poderoso da Inglaterra durante a Guerra dos Primos. Na falta de um filho e herdeiro, Warwick usa cruelmente as duas jovens como peões, mas elas desempenham os seus papéis de forma previdente e poderosa.
No cenário da corte de Eduardo IV e da sua bela rainha Isabel Woodville, Ana é uma criança encantadora que cresce no seio da família de Ricardo, Duque de Iorque, transformando-se numa jovem cada vez mais corajosa e desesperada quando é atacada pelos inimigos do seu pai, quando o cerco em seu redor se aperta e quando não tem ninguém a quem possa recorrer, a quem possa confiar a sua vida.

Críticas de imprensa
«Uma história fantástica, contada com a confiança e a energia a que Philippa Gregory já nos habituou.»
The Sunday Times
«Gregory cria heroínas atraentes e determinadas […] enérgicas, convincentes, vívidas e cativantes.»
Daily Express
«Philippa Gregory dá continuidade à série A Guerra dos Primos num estilo impressionante.»
Star


Bem Gente linda, no mais é isto!!!

Espero que gostem, eu estou lendo A Rainha Branca e estou amando, breve poderei falar sobre!!!
E confesso que estou curiosa pelo Seriado!!!
Obrigado,
Mil Beijos!!!

Martinália Evangelista.

2 comentários:

  1. Amei qdo fui procurar o link de A Rainha Branca, p passar p uma amiga e encontrei o seu Blog. Parabéns linda!

    ResponderExcluir
  2. Ah, sou eu! Lariza! Não vi q estava no perfil da Luli.

    ResponderExcluir